Search
Close this search box.

-Publicidade-

Crise Humanitária na UPA de São Sebastião: Mães Desesperadas Aguardam Atendimento por Horas

Na madrugada de hoje, a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) de São Sebastião se viu diante de uma crise humanitária alarmante. Vídeos enviados por um seguidor revelam uma cena angustiante: mães desesperadas, com seus filhos chorando, aguardando atendimento desde as 13h do dia anterior.

A situação na UPA é caótica, com relatos de superlotação e apenas um médico disponível para lidar com a demanda crescente de pacientes. O que deveria ser um ponto de apoio à saúde da comunidade se tornou um cenário de desespero e negligência.

As imagens mostram corredores lotados, com pacientes em macas improvisadas, aguardando por horas para serem atendidos. Mães relatam que seus filhos estão com febre alta, dores e outros sintomas, mas a demora no atendimento tem gerado ainda mais angústia e preocupação.

Em entrevista, uma das mães, que preferiu não se identificar, desabafou: “Estamos aqui há mais de 12 horas e ainda não fomos atendidos. Meu filho está com muita febre e não consigo entender por que não há mais médicos disponíveis para nos ajudar. É desumano.”

A UPA de São Sebastião, apesar de contar com uma capacidade de atendimento, enfrenta dificuldades para manter um serviço eficiente. A falta de investimento em recursos humanos e estrutura adequada tem contribuído para agravar a situação, deixando a população à mercê de uma saúde precária e desorganizada.

Diante desse cenário preocupante, é fundamental que as autoridades responsáveis tomem providências imediatas para resolver o problema e garantir que a população tenha acesso a um atendimento digno e de qualidade na UPA de São Sebastião. A saúde e o bem-estar dos cidadãos não podem ser negligenciados.

O post Crise Humanitária na UPA de São Sebastião: Mães Desesperadas Aguardam Atendimento por Horas apareceu primeiro em Ouvidoria Comunitaria.

Está gostando do conteúdo? Compartilhe!

Facebook
Twitter
LinkedIn
WhatsApp
Pinterest

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *